ASCEAWebConf

Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio Araranguá – Adiamento de Assembleia – 09.08.2018 – Araranguá / SC

Informe.

Em virtude dos repasse de recursos para o Fortalecimento e Operacionalização do Comitê, proveniente do edital 0001/2017 ainda não terem sido liberados, vamos adiar a a assembleia pré-agendada 05 de julho de 2018, para o dia 09 de agosto de 2018.

Mais Informações:

Sergio Marini – Presidente do Comitê Araranguá

Utilidade Pública – DENÚNCIA – A Polícia Civil de Santa Catarina no *WhatsApp* – (48) 98844-0011

Agora você pode denunciar enviando mensagens com fotos, vídeos e documentos para auxílio de investigações criminais. Através do telefone *(48)98844-0011* o serviço está disponível para receber *denúncia* de forma fácil e ágil, com a garantia de sigilo absoluto.

O compromisso da Polícia Civil é verificar todas as informações sem o envolvimento da fonte, evitando assim sua exposição a qualquer tipo de risco.

Mas não se esqueça de mencionar algumas informações básicas para que tenhamos condições de apurar a denúncia, como:

– *Onde* (qual a cidade, o bairro a rua, algum ponto de referência);

– *Quem* (o nome ou algo que possamos identificar a pessoa denunciada);

– *Quando* (procure sempre informar quando o fato ocorreu ou irá acontecer);

– *Qualquer outra informação que considere relevante para que possamos esclarecer a denúncia.

O cidadão mobilizado no combate ao crime. Essa é a proposta da Polícia Civil de Santa Catarina.

Os Informativos da ASCEA

A ASCEA sempre teve por princípio oferecer aos seus profissionais associados acesso a conhecimentos específicos abordados pelos seus informativos para trabalhos de desenvolvimento de estudos, projetos e execução de obras de engenharia, bem como informações gerais e temas diversos de interesse. Veja o Informativo de Outubro de 1990. A ASCEA mantinha um jornal próprio, além de uma coluna semanal no jornal local! Lutávamos muito pela tabela de honorários! E os Informativos Digitais Atuais. E a luta continua….

Image1019901822

A importância de uma associação profissional se percebe quando visitamos o passado e tantas coisas que foram construídas com a colaboração de muitas pessoas, de uma coletividade. Uma trajetória de desafios e de conquistas. Desta forma, aqui a ASCEA agradece a todos que de alguma forma participaram deste processo ao longo deste 60 anos.

Programa SC Que Dá Certo, patrocinado pelo CREA-SC realiza quarto painel da temporada 2018 – 07.06.2018 – Araranguá / SC

‘SC que Dá Certo’ reúne histórias de tradição, criatividade e inovação em Araranguá

Fonte:  

https://g1.globo.com/sc/santa-catarina/sc-que-da-certo/noticia/sc-que-da-certo-reune-historias-de-tradicao-criatividade-e-inovacao-em-ararangua.ghtml

Painel no Sul catarinense ocorreu no auditório da Unisul e trouxe trajetórias da Kalline – Couro e Tradição, Maria Cereja e do Center Shopping.


Por G1 SC

 

Painel em Araranguá reúniu histórias de tradição, criatividade e inovação (Foto: José Somensi/Divulgação)

Painel em Araranguá reuniu histórias de tradição, criatividade e inovação (Foto: José Somensi/Divulgação)

A história de uma empresa que se tornou referência na fabricação de roupas e acessórios em couro, a criatividade de duas irmãs que conquistaram fãs em todo Brasil fabricando bijuterias e a trajetória de um empreendimento que cresceu graças a união de muitos pequenos empresários. Estas foram as histórias compartilhadas no quarto painel do SC que dá Certo 2018, que ocorreu em Araranguá, no Sul de Santa Catarina, na noite desta quinta-feira (7).

O diretor de criação da Kalline – Couro e Tradição, Eduardo Rizzotto, a co-fundadora da Maria Cereja, Alice Coelho de Souza, e o presidente do Center Shopping Araranguá, Nivaldo Rizzotto, foram os painelistas do evento que lotou o auditório da Unisul.

'SC Que Dá Certo' realiza quarto painel da temporada em Araranguá; assista

‘SC Que Dá Certo’ realiza quarto painel da temporada em Araranguá; assista

Com mediação do apresentador do NSC Notícias, Fabian Londero, o público acompanhou as apresentações e pode interagir com perguntas. O objetivo deste projeto da NSC, que ocorre desde 2015, é inspirar outros catarinenses a buscarem alternativas para empreenderem ou superarem os desafios da economia.

A série de painéis já passou este ano por PalhoçaBrusque e São Bento do Sul, eventos que podem ser assistidos na íntegra na página especialdo G1 Santa Catarina. Depois de Araranguá, o projeto segue com painéis em em Joaçaba e São Miguel do Oeste

Diretor de criação da Kalline - Couro e Tradição, Eduardo Rizzotto falou da empresa criada por seus pais (Foto: José Somensi/Divulgação)

Diretor de criação da Kalline – Couro e Tradição, Eduardo Rizzotto falou da empresa criada por seus pais (Foto: José Somensi/Divulgação)

Tradição com inovação

O primeiro painelista foi o diretor de criação da Kalline – Couro e Tradição, Eduardo Rizzotto. A empresa foi fundada em 1990 por seus pais, Nivaldo e Jaqueline, e ao longo dos anos se tornou referência na fabricação de roupas e acessórios em couro.

A ideia de criar uma marca com produtos feitos exclusivamente de couro surgiu após uma viagem que o casal fez à cidade de Gramado, no Rio Grande do Sul. Lá, perceberam que o couro era popular, mas na região de Araranguá não havia nenhuma confecção com este material. O nome, Kalline, é uma junção de Karmen, antiga sócia e costureira, e de Jaqueline, mãe de Eduardo.

De acordo com o diretor, a empresa começou produzindo apenas roupas e alguns anos depois começaram a fabricação de bolsas e acessórios. Por trabalharem com um material tradicional e durável, se preocupam com a moda, mas ao mesmo tempo, com o caráter atemporal das peças, para que sejam aproveitadas em todas as estações do ano e épocas da vida.

Segundo ele, há relatos de clientes que dizem ter peças de mais de 20 anos, praticamente o tempo da empresa.

Além disso, conforme Eduardo, o reaproveitamento de material também é uma preocupação que há desde o princípio da empresa, para tornar-se sustentável. Todo o couro que sobra da fabricação de jaquetas e seria descartado é reaproveitado para novos produtos, confeccionados pela técnica do patchwork, de forma artesanal.Outra característica da empresa é a exclusividade, com a possibilidade do cliente personalizar o seu produto antes de adquiri-lo.

Conforme Eduardo, embora tenham passado por períodos de dificuldades, o crescimento foi constante ao longo dos anos, sendo que atualmente a empresa tem lojas próprias em 7 cidades de três estados, além de representantes comerciais em quase todo Brasil. Nos últimos anos, diante dos desafios do mercado, começaram a apostar ainda mais em design e inovação. Com isso, a marca se apresentou no São Paulo Fashion Week, o que deu ainda mais visibilidade nacional e internacional.

Alice Coelho de Souza e a irmã, Aline Coelho de Souza, apresentaram a história da marca criada por elas: a Maria Cereja (Foto: José Somensi/Divulgação)

Alice Coelho de Souza e a irmã, Aline Coelho de Souza, apresentaram a história da marca criada por elas: a Maria Cereja (Foto: José Somensi/Divulgação)

Paixão e criatividade

A empresária Alice Coelho de Souza e a irmã, Aline Coelho de Souza, apresentaram a história da marca criada por elas: a Maria Cereja. Alice é formada em design industrial e Aline é farmacêutica. Desde adolescentes, já desenvolviam bijuterias e um tio era ourives.

Aos 14 anos, Alice participou de uma oficina para fazer acessórios, enquanto a irmã estudava farmácia na UFSC, em Florianópolis. Quando Alice compartilhou a primeira peça fabricada com Aline, as duas decidiram apostar na ideia, para terem uma renda extra.

Inicialmente, fabricaram 12 pares de brincos e venderam todos em uma tarde, o que as motivou a continuar. Trabalharam com bijuterias como hobby, até que Aline se formou e começou a trabalhar como farmacêutica.Depois de um tempo, a vontade de empreender e fazer o que amavam as levou de volta à bijuteria. Em 2007, começaram a produzir na mesa de casa, mas os clientes começaram a aumentar, até precisarem se mudar para uma sede própria.

Alice decidiu fazer a faculdade de design industrial para se especializar no negócio e, quando a empresa cresceu, Aline decidiu abandonar a farmácia e se dedicar ao sonho.As duas relataram diversos momentos difíceis, até buscarem ajuda e estruturarem a empresa.

Nos últimos anos, com diversas mudanças no modelo de negócio, a marca conquistou espaço em lojas multimarcas de todo país, além de milhares de seguidores nas redes sociais. Em 2016, a empresa abriu a primeira loja conceito, em Criciúma, e no próximo semestre, inaugura um showroom fixo em São Paulo, para atender lojistas de todo país.

Nivaldo Rizzotto apresentou a história do Center Shopping Araranguá (Foto: José Somensi/Divulgação)

Nivaldo Rizzotto apresentou a história do Center Shopping Araranguá (Foto: José Somensi/Divulgação)

União e ousadia

O empresário Nivaldo Rizzotto apresentou a história do Center Shopping Araranguá, empreendimento que começou em 1991, quando um grupo de fabricantes de confecção, entre eles Nivaldo, se reuniu para abrir um espaço que atendesse lojistas. Procuraram investidores, mas poucos acreditavam no negócio. Assim, foram em busca dos próprios fabricantes, sendo que precisavam de 39 para financiar o empreendimento inicial. Conseguiram esse número e muitos outros, sendo que atualmente são 58 comerciantes que fazem parte da associação.Durante alguns anos, atenderam lojistas e também varejo, mas nos anos 2000 os próprios lojistas começaram a exigir exclusividade e começaram a escolher outros lugares para comprar.

Em 2004, o espaço passou a atender apenas consumidores finais e em 2012 o grupo começou uma mudança ousada: construir um shopping center. Em 2015, a associação inaugurou um espaço de 20 mil m², com 500 funcionários, 12 restaurantes e mais de 70 lojas, além de cinema e outras atividades culturais que trazem pessoas de todas região.

unnamed070620181635

 


PAINEL SC QUE DÁ CERTO – ARARANGUÁ / SC

Data: 07.06.2018
Horário: 18h00-21h00
Local: Auditório UFSC/UNISUL – Araranguá – Rodovia Jorge Lacerda (SC 449), Km 35,4, 3201 – Urussanguinha, Araranguá – SC, 88905-355.

Informações: 

Inscrições:

Ocorre no dia 07.06.2018 em Araranguá/SC o evento ‘SC que dá Certo’, cujo objetivo trazer histórias de sucesso que explicam porque Santa Catarina é referência em empreendedorismo no Brasil. 

O evento itinerante ocorre até julho, envolvendo  6 painéis ocorrem nas cidades de Palhoça (25/04/2018), Brusque (08/05/2018), São Bento do Sul (22/05/2018), Araranguá (07/06/2018), Joaçaba (19/06/2018), São Miguel do Oeste (03/07/2018). Todos terão cobertura do G1 SC e dos veículos de comunicação da NSC TV.

O SC que dá Certo começou em 2015, com reportagens especiais feitas pela NSC TV. Nos últimos dois anos, em 2016 e 2017, o projeto incluiu os painéis, realizados em 12 cidades catarinenses. No total, foram apresentadas 189 iniciativas empreendedoras, com um público superior a quatro mil pessoas nos eventos presenciais e outros milhares de leitores na página especial no G1 SC.

Neste ano, a campanha publicitária multiplataforma tem como lema “Histórias que inspiram a sua”. Esta é a mensagem que deverá pautar as reportagens do G1 SC e os encontros em todas as regiões do Estado, que vão reunir empresários, lideranças e especialistas em busca de soluções para o futuro.

A iniciativa é da NSC TV, com apoio Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA-SC), a Federação das Cooperativas Agropecuárias de Santa Catarina (Fecoagro), a Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc) e o Serviço Social do Comércio (Sesc).

As inscrições para cada painel são gratuitas e abrem uma semana antes de cada evento.

Programação